FOLHA DA PRAIA

07/02/2007

 

 

FÁBIO GUEDES, O CIRURGIÃO DENTISTA QUE IMPLANTA FELICIDADE

 
 

Por Antonio Castigliola

 
Os ponteiros do relógio indicam pouco mais de 22 horas. Numa sala operatória do Hospital Barra D’oR, o cirurgião dentista Fábio Guedes dá a missão por encerrada. A seriedade que marcou os procedimentos para a realização de dois implantes de zigomático em paciente de 70 anos dá lugar a  um clima de euforia e confraternização entre toda a equipe. É um feito nesse campo da odontologia que ganha cada vez mais adeptos – embora os profissionais credenciados para esse tipo de cirurgia ainda sejam em número diminuto.
Fábio Guedes, carioca, 35 anos, é um dos nomes de destaque no campo da implantodontia nacional, reconhecido até internacionalmente.. Considerado um dos maiores especialistas no quesito buco-maxilo-facial – é nessa área que atua com mais ênfase no Sesi, onde é um dos mais renomados profissionais – ele é autor de diversos artigos sobre o tema saúde bucal em órgãos respeitados da mídia nacional.

Os olhos brilham quando fala da profissão que abraçou, digamos assim, por indução familiar – o irmão mais velho, Marcelo, também é cirurgião dentista e o caçula, André Luiz, ortopedista. A mulher, Sula, mãe de Júlia, filha do casal, também segue os passos do marido – está no quinto período de Odontologia da Faculdade Estácio de Sá. Filho do biólogo Dario Rocha Guedes e da advogada Rauliete, do pai herdou a tenacidade – ele o ensinou, nas prosas diárias, a enxergar a luz da aurora na escuridão da noite e a seguir sempre firme em busca de seus objetivos maiores.. Da obstinada mãe, que preferia vê-lo numa Tribuna em defesa dos injustiçados, seguiu os ensinamentos de praticar a profissão com humanidade. Hoje, ela é uma de suas principais incentivadoras na carreira.

Artistas, empresários, políticos, donas de casa e profissionais liberais engrossam sua vasta clientela – os nomes, por questão ética, mantém em absoluto sigilo. A agenda sempre lotada não o impede de aceitar convites para dar palestras e conceder entrevistas à mídia impressa e eletrônica. Consciente, sempre destaca o papel social da odontologia, principalmente num país como o nosso, onde ainda há um grande fosso marcando a desigualdade entre classes. Defende a difusão da implantodontia entre as camadas de menor poder aquisitivo. Para isso, considera que, havendo vontade política, é possível uma parceria governo-iniciativa privada, com subsídios especiais para as empresas fabricantes de parafusos de titânios, usados nos diversos tipos de implantes odontológicos.

Atualmente, já existem laboratórios nacionais que produzem esse tipo de material com a mesma qualidade e durabilidade dos similares internacionais. Num esquema de mutirão, com profissionais doando parte de seu tempo para o atendimento dessas camadas menos abastadas, é possível oferecer um serviço de ponta a esses setores menos favorecidos da população. A presença, nessa ação,  de recém-formados em Faculdades de Odontologia também serviria para incrementar esse serviços, valendo assim, também, para garantir melhor qualificação profissional – esclarece.
Cônscio de sua missão, ele bate na tecla de que a prevenção é sempre o melhor caminho para a garantia de uma perfeita saúde bucal. E nesse contexto insiste que as escolas em especial têm papel de destaque na disseminação de hábitos preventivos.

O governo tem por obrigação propagar em toda mídia eletrônica e impressa campanhas de prevenção bucal. Além do número excessivo de inválidos orais – o Brasil lidera o ranking mundial neste quesito, com 30 milhões de desdentados – o câncer bucal já é uma epidemia nacional. E o governo não se preocupa em divulgar programas profiláticos da doença. Dá sempre alertas em relação ao câncer de mama, de colo de útero e de próstata, mas relega ao esquecimento o câncer de boca – destaca.
Mais que um nome destacado no restrito campo da implantodontia – ele já é uma grife nessa área – Fábio Guedes tem a marca do artista. E é na arte que coloca em suas cirurgias de implante que busca instantes de eternidade e perfeição. É através dela que diz o indizível, exprime o inexprimível e traduz em sorriso a auto-estima perdida.
Fábio Guedes, como todo profissional-artista, tem a alma sedenta. Ele não implanta apenas dentes. Implanta felicidade.